Mudar o regime Servir Portugal

Manuel Beninger

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Reinar


Um regime republicano pode ser mais ou menos presidencialista e, portanto, o Presidente da República pode governar mais ou menos. Num regime monárquico a função principal do Rei nunca é a de governar.

Então é o quê?

Reinar.



Pedro Arroja

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

"Prefiro ter certos poderes nas mãos de um rei do que nas de um político. As famílias reais têm mais valores éticos"

Referendo na Escócia

Os 50.000 membros da Ordem de Orange são o último reduto da manutenção do Reino Unido. Protestantes devotos, fiéis à coroa britânica e opositores dos independentistas, marcharam em Edimburgo. Se o "sim" ganhar, alguns só terão duas saídas: resistir ou emigrar. "Um inimigo demoníaco e conflituoso disfarçado de falso patriotismo e de  referendo nacional surgiu na Escócia", dizem.
Algumas centenas de homens vestidos de laranja e de sósias da Rainha de Inglaterra reúnem-se pela manhã de sábado no pasto verdejante de Meadows, no centro de Edimburgo. Para os mais distraídos, poderia tratar-se de um Carnaval antecipado com motivos vitorianos ou da rodagem de uma cena de um novo filme da saga Hobbit, com o castelo da capital escocesa como pano de fundo. Não. Trata-se do encontro dos membros do Orange Lodge (Ordem de Orange), os indefetíveis protetores do Reino Unido, protestantes, monárquicos e inimigos de todos aqueles que ponham em causa a unidade britânica.
"Irmãos e irmãs, num mundo de instabilidade, de insegurança, de proliferação nuclear, do radicalismo islâmico, as pessoas olham para o Reino Unido como uma terra de esperança, de paz de sucesso e de unidade", diz o grande capitão da Ordem, Henry Williamson, no discurso que deu o mote à parada. "Mas um inimigo demoníaco e conflituoso disfarçado de falso patriotismo e de  referendo nacional surgiu na Escócia, desafiando o nosso amado Reino Unido, e a nossa resposta como discípulos de Deus é 'não vai haver separação'". À ordem do Capitão, agitam-se bandeiras e chapéus de plumas. As flautas e os bombos dão início a uma sinfonia imperial. São 15 mil homens e mulheres, distribuídos por 110 bandas vindas de toda a Escócia, Irlanda do Norte e Inglaterra.
A Orange Lodge, como é conhecida, foi fundada em 1795 - durante um período de conflito entre católicos e protestantes - como uma Irmandade de inspiração maçónica, com o objetivo de defender a supremacia protestante. Foi batizada em honra do holandês William de Orange, que derrotou o exército católico de James II, tornando-se monarca da Grã-Bretanha. Mas isso é História antiga. Nos anos mais recentes, os "homens laranjas" fizeram manchetes com episódios de violência, batalhas urbanas contra os católicos em Belfast, ligações a grupos paramilitares e a hooligans da claque do Glasgow Rangers. Com este cadastro, percebia-se o aparato policial em torno das fanfarras.
"Há dois grupos que vão certamente manter a sua intenção de voto até ao fim: os socialistas duros votam 'sim' e o Lodge vota 'não'. Eles são os extremos do eleitorado", diz Andrew Cairns, 34 anos, supervisor da estação central de autocarros de Edimburgo, quando nos deu conta da chegada do Lodge à cidade. Andrew é da pequena cidade de Whitburn, a meio caminho entre Glasgow e Edimburgo, onde existe uma polarização dos votos: "De um lado estão os mineiros que ficaram sem indústria devido às políticas de Margaret Thatcher - esses votam 'sim'. Do outro estão os elementos do Lodge, que na minha cidade têm muito poder. Nunca aceitarão uma Escócia independente. Muito menos republicana."
Apesar de não fazer parte do Lodge, Andrew também não concebe a perda da monarquia e receia que a independência dispense os serviços de Elisabeth II: "Prefiro ter certos poderes nas mãos de um rei do que nas de um político: nos motins dos anos 80, por exemplo, o que teria acontecido se Thatcher tivesse o poder de mandar o exército para as ruas? Acho que as famílias reais têm mais valores éticos".
Ao longo dos quatro quilómetros de desfile, essa devoção pela dinastia de Windsor fica bem evidente: há posters com as caras de Elisabeth, William e Kate, até do bebé real. Só o príncipe Carlos não tem fãs. Os elementos da fraternidade estão preocupados em evitar distúrbios - a sua reputação é tão má que a coligação No Thanks, a principal força pelo voto unionista, demarcou-se da manifestação por temer que potenciais confrontos tivessem um efeito contraproducente. Os seguranças do Lodge apressam-se a tirar as faixas e os aventais maçónicos aos elementos embriagados. Um, com o tronco já separado das pernas, caminha para trás como um caranguejo. É expulso do desfile.
"Vim com a minha família e o que menos quero é violência", diz Chris Thompson, um rapaz de 24 anos do Lodge 581, de Liverpool, que traz uma bandeira pintada com as cores da Escócia, de um lado, e com a do Reino Unido, do outro. "Acho que os lodges escoceses vão aceitar qualquer resultado sem distúrbios, mas não pararão de se manifestar caso a independência ganhe." No discurso introdutório, o grande mestre do Imperial Capítulo Negro da Commonwealth (código: é de Plymouth) também referiu: "Vamos votar 'não'. Mas se o inimigo ganhar, não vamos baixar os braços. Amamos a União e só unidos venceremos".
Mas nem todos têm um discurso tão moderado. Sir William, que se apresenta como grande secretário do Lodge da Escócia Central, mas sem mencionar o apelido e sem se deixar fotografar, deixa bem claro que a Ordem de Orange "não aceitará viver numa Escócia independente, socialista e, possivelmente, republicana". "Eu e os meus irmãos temos isso bem claro: ou lutamos pela nossa identidade britânica ou emigraremos para Inglaterra."
A marcha passa pela universidade, pelo Parlamento e pelo café em que J.K. Rowling, que doou mais de um milhão de euros à campanha pelo 'não', escreveu as primeiras linhas de Harry Potter. Milhares de escoceses saúdam a Ordem. Veem-se cartazes a ridicularizar Alex Salmond, líder do SNP e da causa secessionista, meninos a transportar coroas e senhoras vestidas para corridas de cavalos a tocar flauta. De repente, debaixo de um viaduto, a fanfarra cala-se e os misteriosos hobbits desaparecem em autocarros de volta aos seus condados.
Mais tarde, damos com alguns deles a beber cerveja no clube maçónico de Edimburgo. Tentamos entrar mas somos imediatamente intercetados por um dos seguranças da fraternidade: "Desculpe, cavalheiro, mas só é permitida a entrada a membros, só aos que juraram fidelidade ao Reino."

Tiago Carrasco / Expresso

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

SS.AA.RR. os Duques de Bragança na Quinta do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia

SS.AA.RR. os Duques de Bragança, acompanhados por S.A. o Senhor Dom Dinis, participaram num almoço na Quinta do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia.
Uma produção TV Monarquia

domingo, 14 de Setembro de 2014

S.A.R. Dom Duarte no jantar de entrega de prémios "Taça Duque do Porto"

S.A.R. Dom Duarte Duque de Bragança e S.A. Dom Dinis Duque do Porto na entrega de Prémios do Torneio de Golfe "Taça Duque do Porto", no Campo de Golfe da Estela, Póvoa de Varzim.

---------------------

Convido-o a entrar na página: 
e fazer GOSTO / "Like".


Ficará assim actualizado sobre as nossas notícias
Obrigado e bem haja